Dizem os números que um ano cessou...e outro iniciou...Assim sendo,ou não,no tempo sempiterno,Eu Vou...Um abraço de muita paz e muito amor...a quem comigo, neste barco for...

Quando meu tempo mo permitir, porei neste espaço, o que e o quanto me possa brotar,para convosco desabafar...neste mundo de corridas, neste mundo de porquês...
01/01/2017
margui




quarta-feira, 7 de maio de 2014

sete de maio/Cegonha, calma cegonha

Cegonha, calma cegonha

Cegonha, calma cegonha
Empoleirada no cimo da igreja
Gostas de paz, ou tens vergonha?
Não há quem teus filhos veja!
A caminho do Livramento...
Fica-me nos olhos, teu encantamento!
Resta-me acenar a teu posto de vigia...
Tua linda terra “Alcaria”


01/05/2014


margui

1 comentário:

  1. Senhora cegonha,
    como tem passado,
    não há quem a veja,
    voltar à igreija,
    pousar no telhado!

    Linda esta canção popular alentejana! Prova que na verdade a natureza não é indiferente ao homem! As aves migradoras, e então aqueles seres pequeninos , como as andorinhas, e outros, fazem confusão ao grande cérebro humano! Como é possível? atravessam o oceano, alimentam-se em voo , voltam ao mesmo beiral, isto só a natureza feita por alguém muito superior ao homem!

    ResponderEliminar

É um prazer, receber o seu comentário.
Obrigada pelo contributo.
maria guida