Dizem os números que um ano cessou...e outro iniciou...Assim sendo,ou não,no tempo sempiterno,Eu Vou...Um abraço de muita paz e muito amor...a quem comigo, neste barco for...

Quando meu tempo mo permitir, porei neste espaço, o que e o quanto me possa brotar,para convosco desabafar...neste mundo de corridas, neste mundo de porquês...
01/01/2017
margui




quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Temos o dom

Na minha mente, sinto uma fortaleza
Que abalroa, a física fraqueza…!
Temos o dom de construir cada presente!
Construamo-lo tão feliz, como ele é de diferente.
Temos dias de autoestrada  excecional
Temos dias de acanhado trilho pedonal
Mal sintamos trupe de prováveis predadores,
Afastemo-nos das garras, dessas possíveis dores
Há égides que à estrada principal, nos convergem
A alegria de viver, os escudos que nos protegem
Vamos acordar, respirar fundo, ouvindo o coração
Expirar maus pensamentos, frutos de ocasião
Inspirar e agradecer, o que se é e o que se tem
Nada acontece por acaso, tudo vem por bem
Viva e sinta cada minuto da sua existência
Máxima de vida, para lá da simples tendência
Procure a paz, mesmo nos momentos agitados
Busque ambientes calmos, limpos e arejados
À noite, o brilho da lua e das estrelas mostra-nos a liberdade
De podermos sentir, os “Ínfimo” que somos, na verdade          
Amemo-nos e ame-se nesta espiritualidade!
Nesta jornada
Que não para
Que gira e avança
Como faz cada criança…
Temos o dom de construir cada presente!
Construamo-lo tão feliz, como ele é de diferente.
maria guida

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

...marcas que ficam...


Com que doçura me olhava
Música tranquila escutava
Dizia que relaxava…
E tão doce me confessava:

«Ponho-me a idear, a imaginar…
…A gravidade a orbitar
Leva o meu corpo a girar
Interiorizo apenas meu  ” eu”
Mas nada disto ainda valeu!

Minha amiga mente,
Estraga esfera de ação
Cada repente
Gera nova confusão…
Ehhhhhhhhh …a mente sempre a girar
É a mercearia a chamar
É a hora do cozinhar
É a casa para arrumar
É a roupa para passar
É o dever a girar»

Não conseguia, dominar seu pensamento
A tarefa de fazer a lida, a cada momento!
Batia-se e falava-me deste encantamento
Perpétua! A marca de seu julgamento:
                                                                            
«  _ Não, não adianta!
 Meu outro tempo me encanta!
Fora uma vida de entregas
Ao trabalho, à casa…
A todos e às panelas
Mudar minha asa?
Agora?
É que iam ser elas!

Não me iria habituar
Isto para mim é viver
É ser AMIGA a valer
Deixai-me ser eu,
É assim que eu quero AMAR!
Relaxo com a música? _ Ai isso, sim!
Relaxo...
... para dar mais, de mim!»


Dedico a alguém que me mostrava este testemunho, tão dedicado de amor…!

maria guida

sábado, 13 de agosto de 2011

Hoje te batizam Tomás!



Hoje te batizam Tomás J

Numa expressão de autenticidade…

Hoje, te conduzem na esperança
De uma vida de confiança
De bonança…

Hoje, te conduzem para a Verdade
Vínculo de justiça, paz e dignidade
Liame eterno, entre zelo e alegria
Na força, dessa luz, que te alumia…

Hoje, te transmitem a vivência, o ânimo na fé
A convivência com teu Deus,
Em cada dia
 A cada manhã…

Hoje e para sempre...

Te dedico, bem crente:
Uma carreira de integridade
Uma vida plena de Liberdade

E a alegria da nossa amizade!


maria guida




terça-feira, 9 de agosto de 2011

Na vida tudo se cruza


Tive o meu tempo pra criar meu lar
Segui os passos de meus filhos a voar
Hoje, já sinto o pairar dos netos
Tenho no “agora”, meus olhos mais despertos

Delícia, no sorriso destas crianças
Deleite, nos gritos de alegria
No silêncio destas andanças
Cada momento é magia…
Irei continuar a viajar, …
…Neste Universo, neste lar…
Quero apreciar o dom de viver
Acordar cada manhã a crer
Que há coisas que eu nunca via
Porque o correr da vida me imbuía
...
Que o Mundo, também está no meu lugar
E há coisas que eu quero validar

Vou explorar outras maravilhas
Vou saborear outras trilhas

Na vida tudo se cruza                                               
Até a lua é amiga, é intrusa
Este mundo avança, … encanta
Cada momento, mais me espanta!
                                                              
… Doce a visita de quarto crescente,                    
A sobrevoar lá longe, o mar
_ Dá-me forças meu Universo
 Neste chão duro, emerso
 Pra com ela meditar

Do manto preto me espanto
Só oiço os grilos no campo…:
_ Onde está o teu luar?
De mimar?

_ Avança, projeta…
  A vida não é coisa em vão
 Continua o teu trajeto
 Vê-lo-ás noutra estação
_ Aprecia o dom de viver
Acorda cada manhã a crer
Que outra vida diferente vais apreciar
Imbui-te nela, tu, agora
Abraça-a sem demora
Mostra ao mundo o teu Lugar…

Maria Guida








quinta-feira, 4 de agosto de 2011

O meu docinho


O meu docinho de tomate…meu e do meu quintal...
Começou o um de Agosto
E até parece que é Outono
O dia acordou muito fosco
E o meu coração está morno

Na cesta empolga o tomate
Vai daí eu sonho arte
A mania de cozinhar
Meu ego vem acalmar
Não é tarde, nem é cedo
Tomate não mete medo

_ Vamos, amigo tomatinho
Já me cheira ao teu docinho

Um quilinho de açúcar…
_ E quanto pesas tomate?

_ Peso mais trezentos gramas
Do” a mais” eu ganho famas
Muito açúcar, só faz mal!
Não gosto de peso igual…
_ Hum e junto pau de canela?
_ Claro! Dois pra dentro da panela.

Com o fogo bem lentinho
E mexendo devagarinho
Cá tive para umas horasJJJ
O apurado tem demoras!

Como eu adoro fazer
O que a famelga vai comer…!


Maria Guida

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Onde está a fé, neste Portugal?


Onde está a fé neste Portugal?
Onde ficamos, nesta história Mundial?
Queremos outras guerras Lusitanas
Ou serás tu, o Mundo que nos tramas?

As vozes pelo poder, fazem-se sentir
Depois ganham muito e ficam-se a rir
Impostos e aumentos na despesa diária?
Para eles, com tanto, não é malária…

Ao nosso lado, o desemprego, este grande mal
Por quê estes horrores no nosso Portugal?

É possível virar as cordas a esta guitarra mística?
Aos vermes do poder, todos com muita crista?
Tanto desequilíbrio é uma tramóia egoísta
A cada lado se vê a foz
Ninguém dá ponto sem nós…
Precisamos códigos para descobrimentos internos
A fim de tirar o povo, de todos estes infernos
Houve já tantas batalhas, tantas comezanas
Só pla ganância do homem, as suas tramas
Mentiras consolidadas pra se chegar ao poder
A casa da grande família, à plebe faz doer

Que modelos de esquemas? Onde os vão buscar?
Tantos administradores
Tantos doutores
Gabinetes e assessores
E as listas de vencimentos… onde as foram camuflar?

Onde está a fé neste Portugal?
Onde ficamos, nesta história Mundial?
Queremos outras guerras Lusitanas
Ou serás tu, o Mundo que nos tramas?

Quem virá, que cumprirá o que prometeu
Quem respeitará o mundo plebeu
Para dar credibilidade ao mundo seu…?



maria guida