Dizem os números que um ano cessou...e outro iniciou...Assim sendo,ou não,no tempo sempiterno,Eu Vou...Um abraço de muita paz e muito amor...a quem comigo, neste barco for...

Quando meu tempo mo permitir, porei neste espaço, o que e o quanto me possa brotar,para convosco desabafar...neste mundo de corridas, neste mundo de porquês...
01/01/2017
margui




quarta-feira, 30 de abril de 2014

trinta de abril/Hoje chorei por ti...

Hoje chorei por ti... 















Hoje chorei por ti...
Não te conhecia
Mas por dentro, sofri...

Imagino-te uma razão muito forte
Para ficares sem norte
Só tu sabes a verdade...
Aqui
Nunca haverá uma realidade.

Que essa razão venha dar
Força Vital
Sem qualquer mal,
Nem dó...
A todos os jovens e não só

Que cada um seja forte para desabafar
Procurar alguém com quem partilhar
_O que é só nosso, pessoal, mas magoado
...Partilhado, também pode ser superado.

Margui


30/04/14

terça-feira, 29 de abril de 2014

vinte e nove de abril/Tom abaixo, cavaquinhos

Tom abaixo, cavaquinhos (instrumental/eu por ti suspiro).
Refrão

Nós tocamos nele
Ele nos toca a nós
Ai por causa dele, não ficamos sós



“Tom abaixo, cavaquinhos  (BIS)
Nasce um dia p¢lo Inatel
Foi na casa de Cinfães  (BIS)
Que embarcámos no batel

Levamos o cavaquinho  (BIS)
Para muitas digressões
Nós cantamos e tocamos (BIS)
Memórias , recordações

Refrão

Faça chuva, ou faça sol  (BIS)
Vai connosco viajar
Faz companhia porreira  (BIS)
Só lhe falta é conversar

Tanta alegria nos move (BIS)
Trinar é estar bem contente
Se amas este cordofone  (BIS)
Vem connosco minha gente

Refrão

19/04/14


Maria Guida Rodrigues

segunda-feira, 28 de abril de 2014

vinte e oito de abril/Não me apetece dormir...

Não me apetece dormir...
Os olhos se abrem
São seis da manhã
Não me apetece dormir
Mas então o que é?

Mais um dia comum
Será apenas mais um?
Não, o sol por mim chama
_ Salta-me dessa cama...

Começou o rodopio
Limpei, limpei com tanto brio
Não me interessava quem ainda dormia
O contrário do que estava, eu queria
Queria sentir-me bem, no meu estuário
Ajeitar o meu rosário...

São as janelas
Que me dão novas aguarelas
Mais cintilantes, nada ofuscantes
Briosas como dantes...

Limpou sua face, o jardim...
Já não tem erva ruim
Já engoliu todas as lágrimas
Já bebeu tanta saudade
E brota cheio de vaidade
...
Com este cantinho inteligente
Aprendemos que
Saber viver
É como ele...
 Ir sempre em frente...


Margui


28/04/2014

domingo, 27 de abril de 2014

vinte e sete de abril/Lírio branco, silvestre

Lírio branco, silvestre
Lírio branco, silvestre
Que satisfação me deste
Foste o cartão de visita
Quem te trouxe, surpresa rica?

Há catorze anos que o terreno não é cultivado
Porque venho encontrar, nesta paz, este achado?
Vieste na corrente das chuvas e dos ventos?
Ou  és filha de encantamentos?

...Coincidência ou não...

A história do mocho e desta flor
Trazem-me ao presente
Um passado não ausente
Frutos de sonhos longínquos...
Cobertos de amor….!!!

15/04/2014

Margui

sábado, 26 de abril de 2014

vinte e seis de abril/Formiguinhas

Formiguinhas


Formiguinhas no vai e vem incessante
Trabalham duro a cada instante
Não deixam faltar sustento
Não têm férias no tempo!

Vencem os seres humanos na sociabilidade
Cuidados cooperativos de retidão e equidade
Divisão de tarefas, um progresso sem vanglória
São o género animal  de maior sucesso na história

Os seus formigueiros são obras de engenharia
Complexos túneis, câmaras  especiais, quem diria?
Armazenamento de alimentos, o rico berçário
Qual de nós aguentaria tanto trabalho diário!

A sua química de comunicação
Não são fábulas nem histórias
São a verdadeira união!

Vemo-la no ser humano?
Não!!!


Margui


25/04/2014