Dizem os números que um ano cessou...e outro iniciou...Assim sendo,ou não,no tempo sempiterno,Eu Vou...Um abraço de muita paz e muito amor...a quem comigo, neste barco for...

Quando meu tempo mo permitir, porei neste espaço, o que e o quanto me possa brotar,para convosco desabafar...neste mundo de corridas, neste mundo de porquês...
01/01/2017
margui




domingo, 21 de novembro de 2010

Claridade



  Por quê me chamas, Claridade?
- Porque te dou a luz, a verdade
O brilho e o esplendor da idade

Por quê, tanta porta aberta?

-Porque a Claridade está deserta
Deserta, de te ver mais esperta…

Deserta que a encontres
Triste, quando te escondes
Atrás de esquinas, perdida
Ignorando esta guarida!
Mostra-me a cada esquina
A sempre criança traquina
Partilha o que há por dentro
Em cruzeiro movimento…

Faz, de cada manhã, a mais bela
Abre-lhe em par, cada janela …

Dá boas-vindas ao Universo
Agradece-lhe o teu sucesso
Fadas… e borboletas brancas
Nutrem musgos de esperanças
Sonha…
Voa com elas, muito animada
Poeta-as, canta-as e deseja-as,
Imbui-te nelas, muito mimada!

 Eu, Claridade aqui estou:

Sempre hábil, para abrir teu corpo
Embarcá-lo em navio, sem porto
Segurar-te à vida, leve e dançante
Levar-te muita energia adiante
Deixar cada ruga, mostrar-te
Que tens pra dar sorriso e arte

margui

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Meu mochinho...


Mudo e quieto a meditar
Na folhagem me vem poisar
Tardinho, pla noite fria
Duende! Expressivo mocho!
Elegante, ou quiçá coxo
É a minha psicologia

Numa noite de Inverneira
E sem fumos de fogueira
Meteu-se chaminé dentro
Povoou casa vazia…
As saudades que trazia
Decerto deram alento

São estes duendes da vida
Que nos tocam de fugida
E nos lampejam de sinais
Se estivermos atentos
Teremos belos momentos
Remédios tão cordiais!

Por vezes esbaforidos
Sopram-me aos ouvidos
Zangam-se, a meu desleixo
Mas vão logo de corrida
Agarrar corrente amiga
Que toca fundo, meu peito!

Amiga

Cada criança que há em nós
Difícil se encontra a sós
Com um dedal de alegria
E envia a cada instante
A frase de diamante
Vá em frente! Sorria!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Ouriços...



   


                                                            
                                                           
Árvores frondosas, copadas
Chorando as orvalhadas…
Ouriços espinhosos, pendentes
Vicissitudes inconvenientes
A quem deseja espreitar
E no bolsito levar…                                            


                                                                 O menino sonhou, sonhou
                                                                 O ouriço pressentiu, arreganhou
                                                                 À criança quis ver sorrir
                                                                 …Aos pés lhe veio cair!

 Psiu mamã…
  O sol apareceu, veio aí                           
  Foi tal a beleza que eu vi.
  A terra  logo aqueceu 
  O complexo remexeu                                                                                  Muitos ouriços abriram
                                     E as castanhas caíram...

 
                       


                                                                                              
                                                                                             Psiu  filhote…
                                                                                                                                                                            Mamãs que abriram braços
                                                                       Estenderam seus regaços
                                                                       Junto ao aroma da terra
                                                                       Onde a criança sonha e espera
                                                                       Por estas belas castanhas
                                                                       Que cedem utopias tamanhas…

                                       Repara…
                                      Orlando-nos a medo, e desigual

                                           Outros espinhos, rastejador animal...

Lindo o ouriço-cacheiro
Medricas, no seu poleiro
Não vá a criança pisá-lo
Ou mexerico encontrá-lo     

                                                                                         Animal e vegetal
                                                                                         São vida, neste local…!

Juntámos belezas de Outono
A casa, decoramos com elas
São a fartura do povo
Riquezas da terra, singelas
À espera que entre o Inverno…
E venha, com energia, rendê-la
                                                                                                                     margui

terça-feira, 9 de novembro de 2010

O meu duende...


O meu duende  "A minha esperança..."



Tenho o meu duende
Só ele me entende…
Quando fico triste
É ele que me assiste…

Se fico perdida                                                       
Dá-me guarida                                                        
Se me vê sem jeito
Abana-me o peito…

     Quando fujo ao mundo                                                  
    Caleja-me fundo…                                                        
Se finjo alegria
Engolfa-me energia…

Se me vê chorar       
Vem-me aguilhoar…
Se me vê contente
Fica eloquente…                                                                    Se me vê vaidade 
                                                                                              Mostra-me equidade…

                                    
Se me vê vazia
Mostra-me empatia…
                                                                                             Quando vou ao chão
                                                                                              Mostra-me a razão
                                     
Se me vê sofrer
Relembra o dever


                         Quando na terra, te vais acoitar
                          Eu sinto a energia de cada luar!!!
                          Contigo duende
                          Que bom é sonhar…!





Se e quando, indefinidos no tempo…!
Se
Estou contigo, invulgares acalento…!
Quando
Te tenho, tudo tenho a seu tempo…!                
                                                                         



Mª Guida  
                                                                                        Novembro 2010

domingo, 7 de novembro de 2010

A paciência tem sempre razão

Era uma massa folhada
Que estava toda empolgada
Vai que me chega a Ciência
Agarrei-me à Paciência…
Porque anoitece a brincar
E faz-se hora do jantar



Pra me vingar na farinha...
Dei voltinha pla cozinha
E pra encher massa, eu vejo
Canela, noz, maçã e queijo
Cortei a redonda em quatro
Montei um grande aparato
Deu entrada no fogão
Acabou a discussão
E com este tudo-nada
Eu tinha a cheirosa entrada

Com um pouco de cuidar
Há sempre solução a dar
Faz-se mistura de grelos
Envolvem-se uns farelos
Junta-se a boa vontade
Ao corpo e à amizade…

E com esta Ciência,ou NÃO
A Paciência tem sempre razão…


 Mª Guida


Novembro de 2010

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Trilhos deste Universo


…Trilhos deste Universo! …


Tempos tristes, poucos tempos alegres
Casas sombrias que lembram casebres
Casa aqui, o mês de Novembro
Sente-se tristeza que não entendo…
Algo me diz que não gostas do Outono
Por que será, este mês tão morno?
...
Por aqui se passa, e daqui se parte
Tristes ou alegres, semeamos arte
...
Ficam testemunhas de toda a colheita
Em tuas pegadas, genes da tua feita!
…                                                                             
A vida não pára, neste mês não fiques
Perscruta Dezembro, traz outros despiques…
Vamos degustar tempestade e bonança
Façamos cada trilho, nacos de esperança!!!
 ...
Rasga cartas do futuro, afasta lembranças do passado
Fica na realidade, põe toda a ilusão de lado…
Neste fluxo contínuo de cada porvir
Para ti aspiro, plena vida a sorrir …



Para Ti…que a recebeste em 1ª mão…com um xi coração

Mª Guida                                                                         
                              03/11/10

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Dia de todos os Santos





                                Santos

Novembro! Muitas flores! Dia de todos os Santos!
Trovoadas, raspanetes de Deus! Encantos!

…em cada esquina…

Emoções e pensamentos, cheiros de incenso
É um mundo estimulante, profundo e intenso
Esta energia pura, eternamente omnipresente
Nada no-la explica, racionalmente…

Intensidade, em tudo o que nos rodeia
Cada instante vivido, algo que se semeia
Aprendizagem em permanente evolução
Infinitos os poderes do real, o coração…

Potencial e consciência incentivam a explorar
Caminhamos em novas formas de saber e estar
Emerge a necessidade de descobrir o amor
Despertar a inteligência e o sentido de humor


É imperativo reinventar sentimentos
Rir e revitalizar acontecimentos
O agora, amanhã é insignificante
Nada se repete, tudo segue adiante
A cada momento, vem outro a seguir
A vida é uma empresa, que não pode falir

Santos! Sejamos todos, vivos e partidos
Santos! Todos os que nos são queridos!

Fragilidades, incertezas, são forças desta vida
Assume-as e ganhas, na certeza, esta Santa corrida…


Mª Guida 
                                            01/11/10