Dizem os números que um ano cessou...e outro iniciou...Assim sendo,ou não,no tempo sempiterno,Eu Vou...Um abraço de muita paz e muito amor...a quem comigo, neste barco for...

Quando meu tempo mo permitir, porei neste espaço, o que e o quanto me possa brotar,para convosco desabafar...neste mundo de corridas, neste mundo de porquês...
01/01/2017
margui




segunda-feira, 30 de junho de 2014

trinta de junho/Vive



Vive

Vê o que és neste instante
Não desesperes, sê o agora
Porque o antes e o depois vão embora
Não penses, não lembres, vai adiante...

Margui


18/06/14

domingo, 29 de junho de 2014

vinte e nove de junho/Vivo à sombra de minha claridade

Vivo à sombra de minha claridade

A levarei pela eternidade
Emirjo em versos e canções
Gosto de minhas ilusões!

Às vezes não gosto do que orna o enleio do ambiente
Não vejo verdade, sinceridade ou mística reluzente
Fico triste porque vejo ironias e segredos...
Mas meu lume me aponta o caminho certo, sem medos
Detesto enredos...

Vivo à sombra de minha claridade
A levarei pela eternidade
Emirjo em versos e canções
Gosto de minhas ilusões!

22/06/14

margui

sexta-feira, 27 de junho de 2014

vinte e sete de junho/Há pontes que necessitamos galgar


Há pontes que necessitamos galgar
Para atravessar o rio da vida à procura do bem
Há atalhos e atalhos
E caminhos e trabalhos
Com que vencemos e vamos além...
Não perguntes onde te vão levar
Fica apenas querendo-os
E segue-os...

Margui


27/06/14

quinta-feira, 26 de junho de 2014

vinte e seis de junho/Força Portugal

Força Portugal

Toda a vida alcunhados
Portugueses, a valentia
Parece que estamos lixados
Nossa “Vossa” força , uma razia

Fala-se em energia da esperança
Ou se calhar num milagre
Deixemo-nos de cagança
Sem caboucos, quem vos vale?

Só a virgem Maria
Veremos no final do dia!



25/06/2014


margui

quarta-feira, 25 de junho de 2014

vinte e cinco de junho/O meu manjerico

O meu manjerico
Como ele cresce
... e me envaidece
Acaricio-o cada manhã
Toda eu fico mais sã

Seu perfume
Uma magia...
Que se espraia no ar
Não se deixa beijar
Desejo que eu queria
E não se consume!

Espraio com ele, ludibriada
Adormecida
Nesta corrida
Vou no meu sonhar...
Só quero este “nada”

Só quero acordar...
Quando este perfume me beijar!!!

Margui

24/06/14

terça-feira, 24 de junho de 2014

vinte e quatro de junho/Alfama das ruas estreitinhas


Alfama das ruas estreitinhas



Alfama das ruas estreitinhas
Barris de água e ventoinhas
Cheira a fumo, suor e manjerico
É meio da tarde, aqui não fico

A rua S. João da praça
É comprida até mais não
Entro na Igreja e refresco
Obrigada S. João!

Margui

24/06/14