Dizem os números que um ano cessou...e outro iniciou...Assim sendo,ou não,no tempo sempiterno,Eu Vou...Um abraço de muita paz e muito amor...a quem comigo, neste barco for...

Quando meu tempo mo permitir, porei neste espaço, o que e o quanto me possa brotar,para convosco desabafar...neste mundo de corridas, neste mundo de porquês...
01/01/2017
margui




quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Voltei àquele palco infantil...

Esta noite…meio acordada…
Senti-me abananada…
Voltei àquele palco infantil
Sonho que fosse, em mês de Abril
...
…Saltitava os trevos no campo orvalhado
A água na poça, ali, a meu lado
As rãs que instigavam, peritas a coaxar
As sanguessugas, húmidas, a espreitar

Molho de ervas que eu via cegar
No verde lenteiro
Com roupa a corar
Branca
O branco de paz
Que bailava no ar…

E no pinhal, mesmo ali
O carro de bois bambaleando, chiava
Eu, criança irrequieta, brincava
Fazia regata
Nos talhadoiros de água que cortava
…Era o meu barco,
De lata,
 ...Que navegava…

Avanço um pouco, já é Maio
No arvoredo espreita o gaio
Subo para o vizinho penedo
E no cocuruto não tenho medo
Pé na cerejeira e fico empoleirada
Cada braço seu me resguarda

Sentada nela, eu comia
Ria e espreitava
Eram cerejas trigais
Gostosas!!! Demais!!!

Hehehehehehe… saudade!!! Porquê  tanto me atiçais???

Maria Guida

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Sonhos

Os sonhos já despontaram

Ano a ano relembrados
Fofinhos, bem gostosinhos…
Começam os meus pecados

A abóbora estava alojada
Desde o pico do Verão
Num local bem arejado
À espera de confusão
Do amor
Da união
Nesta estação…

Hoje resolveu repartir
De si deu, meio quilinho
Pediu que fosse cozida
E passada a jeitinho

Juntaram-se :

Quatro ovos de galinha
Quatrocentos de farinha
De açúcar peso igual
Colherinha de fermento Royal
Raspa e sumo de laranja*
Mais a pitada de sal

Na molhada refilavam:

_ Queremos ser bem amassados
No todo, bem trabalhados
E logo, sem mais demoras
Descanso por duas horas

_Queremos um bom levedar
Pra podermos empolgar…

_ Embrulha-nos num cobertor
Que gostamos de calor
E vai tratar doutra gente
Após este tempo, aparece
Que a nossa alma cresce…
…Frita-nos, em óleo bem quente!
                                                                           
  *uma colher de sopa de sumo e raspa de meia laranja

A todos, bons sonhos!

Maria Guida

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

domingo, 18 de dezembro de 2011

Almoço natalício


 
Mais um almoço convívio
Com musiquinha animada
Desde os comes à galhofa
É claro, não faltou nada...
Na aldeia da roupa branca
Roupa suja, a Antónia lavou
De alma falante, alentejana
A tantos, ela atiçou…hehehe!
Peça bem representada!
Cu estendal da cuecada…
…As cinco amigas fizeram
Rir e rir à gargalhada…JJJ

O coro, com sua graça
Nos desejou bom Natal
Não há diferenças, nem raça
Aqui vence o que é igual

Com a troca de prendinhas
Fortaleceu-se a amizade
Com o sorteio do cabaz
Até pró ano
Saudade…!

Um bom Natal e Feliz ano de 2012, a toda a Comunidade Educativa.
Um obrigada ao mestre e colega Mário, pelas fotos que me proporcionou.

Maria Guida

surpresa


Antes da tertúlia do dia 14/12/2011, onde fomos atuar....cantata surpresa à nossa professora de música.
                                                  Instrumental das pombinhas da Catrina
Professora Catarina
Surpresa! JVimos fazer…
Vimos cantar-lhe amizade (a amizade)
Com vaidade, ai pode crer

Consigo vamos cantando
Os ais da nossa idade
No tempo vamos sonhando
Cuma outra mocidade

Obrigada, ai obrigada
Pela sua simpatia
Não a deixamos por nada
Sua frescura, alegria
                                       Com um beijinho do grupo coral
maria guida

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Tempo de míscaros

Tempo de míscaros, cogumelos
Perfumados fungos amarelos
Apanhados nos pinheirais
Zonas húmidas, idos quintais

Muito fraca a minha perícia
Para encontrar tal delícia
O tapete de caruminhas
Fazia sobre eles, milícia
...


A coluna bem vergava
Mas nada, nada apanhava…
Comprei-os nas barraquinhas J!
Encantei-me nas festinhas!


Cheirosos, sedosos, deliciosos…
Comestíveis silvestres, tão saborosos!
Se, embrenhados no arrozinho
Que bem cheira, o guisadinho
Nem me valeram ancinhos
Mas deles me consolei
E depois de estufadinhos
Sobrantes, eu congelei
Pra mais tarde partilhar
…Outros poder consolar JJJ!!!

maria guida

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Natal...

Sentimentos e reflecções
Enchem tantos corações
Marulham na estratégia nacional
Perdem-se no Mundo Global
Riem, para esquecer tolerâncias…
Esperam, na seriedade, abundâncias…
                              Queremos:
Natal de alegria, de renascimento
Amor, ramos de fertilidade, encantamento…
Tradição, lembrança e chave de segurança
Asas, com mil promessas de esperança
Lanterna de oxalá, para um ano novo, menos cinzento...!

beijinho natalício
maria guida

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Festeje

Acorda pela manhã, é outro dia, festeje!
Abra a janela, respire fundo, ria e solfeje
Salte ao duche, arranje-se, saia, caminhe
Sinta, dentro de si, num todo se acarinhe…!

Você é seu templo, é seu Universo
Nos seus momentos, está seu sucesso
Assente seus pensamentos
Enxote os arrelientos,
Fixe-se na sua essência
Suavize, delicie-se, seja vulnerável...
Sua existência
Ultrapassa o impensável...!!!

Dói uma peça?
Então vamos nessa J
Respire fundo,
Fixe-se só nela…
Isso alivia! C
E sorria!J

...Se chorar
Nada de preocupar
É sal que te vem limpar
…Pró coração acalmar…

Ai nada dói?
Fixe! Mas não se esqueça:

Seu corpo
Suas peças
Gostam de ser mimadas
Por si…
Dia a dia…relembradas
Acarinhadas…

Como em tudo no Universo
Se não mima o que é seu
O que vai ser do progresso?
Cada corpo, um apogeu!
Neste Planeta
Neste Céu!

maria guida


segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Que será de mim....que será de nós...

Com o instrumental de “ora ponha aqui o seu pezinho ”, dou uma força ao nosso grupinho.

Que será de mim, que será de mim
  Ó cavaquinho
Que será de mim, que será de mim
 Pergunto eu
Não vou deixar, não vou deixar-te
 Ó cavaquinho
Não fosses tu, não fosses tu
projeto meu

Rica será, rica será
Nossa  amizade
Rica será, rica será
 Nossa folia
Não desistir, não desistir
 Lema do grupo
Ai todos juntos, todos juntos
 Na alegria

Que será de nós, que será de nós
Sem cavaquinho
Que será de nós, que será de nós
 Sem este espaço
Vamos vingar, vamos vingar
No cavaquinho
A todos vós, a todos vós
O meu abraço


Obrigada ao professor José Carita, pela força que nos dá.
Para todos os colegas, um beijinho carinhoso.

Maria Guida

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Eu estou aqui


“Eu estou aqui”.



No ioga,
Esta beleza eu ouvi
Neste navio eu parti
Imaginem…
O que eu senti…!

Palavras que trazem doçura
O corpo em nova apostura
E eis, que nesta brandura
Meu ente é outra natura

Não existia passado
Passou-me, de todo, ao lado
Não soube do negativo
Dei larga, ao positivo…


Por inteiro,
Entranhei-me
Viajei-me, saboreei-me
Deliciei-me…

Presente perfeito
As asanas, ao meu jeito!

Respirei fundo
Acordei…
E valorei…
Este meu mundo
……………………………

_ Impossível?!
_Não, Incrível!
É, um todo
Só Meu,...
Sensível…

Lá, vivo o “Aqui”,
Vivo cada presente
Tão diferente, tão contente

Vontade de parar “Aí”
Sem querer, ir para a frente…

…Vale
...a Atitude interior, consciente
E...
Numa respiração sapiente…
Sentimo-nos, aceitando …
Este mundo tão exigente

Obrigada à professora de ioga, Carla Penetra, pela harmonia que a todos proporciona!
maria guida

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Correio da Seniorlândia.

Hoje me obrigo a ter uma apresentação diferente!
O mundo não é, apenas coisas más. Testemunhemos também as coisinhas boas!


Amigos,
Podem ver o jornalinho da nossa escola, no blog da amiga Patrícia.

A ela agradecemos todo este projeto, que sempre abraçou com muito trabalho e elevado carinho.

 E um agradecimento especial ao professor de informática, Dr Rui Lourenço, que em regime de voluntariado, nos oferece as suas aulinhas semanais.

Obrigada aos dois.

Maria Guida

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Outono

As brisas de outono
Negam-se à tristeza,
Para nos dar alegrias
Hibernando em seu sono
Clorofila, de certeza
Anseia, por maiores dias
Diminuem as horas de sol
Na aragem vem o briol

As folhas tiveram a sua existência
Felizes...
Mudaram, a sua aparência

Abandonam a árvore,
Ficou limpa, ficou nua

Qual folha melhor flutua…

Poisam, nos fofos jardins
No duro asfalto da rua!

Do verde...
Viajam ao laranja, castanho
Vermelho ou amarelo
O chão está tão belo!

Com a chuva, amanham-se,
Jazem, mas entranham-se
Adubam a terra
Fertilizam os solos,
Espicaçam o pigmento
…Espreita novo rebento

Os pigmentos verdes
Cessaram de trabalhar
Ansiosos os vermelhos,
Ocupar-lhes-ão o lugar

É o ciclo da vida, em cada ano
O renovar de cada gestação...
É o outono que nos mostra
O ciclo eterno…
Não tenhamos ilusão!



Beijinhos outonais   

maria guida


sábado, 5 de novembro de 2011

Aloé vera


 Meu aloé -vera catito JJJ
Com elegância me fita
Até parece que estica
Vejam, como é bonito!
J
No Outono, a sua flor
Alivia um pouco a dor
Dor fria, desta estação
Que sucedeu ao verão

Concentra nas suas folhas,
 Um gel viscoso e macio
Abre, como pétala de rosa,
A folha é lança espinhosa
É da família do lírio

Um remédio muito prático
Na pele, faz alívio rápido
É regenerador e antioxidante
Antibacteriano, cicatrizante

Nutriente, com muitas proteínas
Sais minerais e vitaminas
Capacidade de hidratar
Mazelas interiores curar

Para Cleópatra, era segredo de beleza!
Resina perfumada, de tamanha riqueza!

Se desta amiga precisar
Basta me avisar
Folhinha, eu  faço chegar
Ou filhote pra plantar

Tenho dois que posso dar.

beijinho outonal
maria guida

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Uma bruxinha vou ser

Passei o dia a pensar
Nas voltas, que hoje vou dar
Novo mundo, eu quero ter
Uma bruxinha, eu vou ser

Quero um futuro risonho
Previsões, sem serem sonho!
Sucesso nas profissões
E o término dos ladrões

Quero um não ao desemprego
Que arruína a sociedade
Quero uma vida sem medo
Uma Europa de equidade

Nesta noite, eu quero crer
Nas varinhas do poder
Sem testemunho de aurora
Este mundo, eu jogo fora

Eu quero pura energia
Ao nascer da luz do dia…

maria guida

sábado, 29 de outubro de 2011

Cavaqueira


Naquele dia de chuva
Trazida pla ventania……
Minha cabeça pirava
Cavaquinho refilava…!
Quem diria?!...

Um projeto a vencer...
_ Como irei eu aprender?
Só quero ver…!

Fizemos disto galhofa…
E jurámos, sem batota:
_ Não piramos desta tropa.
Vamo-nos já animar
Bora lá
Vamos jantar…

Estava o grupo da pesada
Em cavaqueira animada
Que prendas! É só vaidadeJ
Bem linda a nossa amizade!
                                          
As velhas...
                                                                                                           
                                                        ...   e a tenra idade


….
Sabem quem estava lá?
Fatinha, que virou Fá!
Nome fino e pequenino
Um mimo!


Mistério!
Alguém, aqui está cifrado!
Meu dia, hoje foi um fado…J!!!
É sério....

O meu?!A minha?!
No prato às cambalhotas… 
Viria de pernas tortas?
Já não a comi direita,
Que desfeita!

O festim deixa saudade!
Fica prá posteridade…

Quem descobre o enigma
Neste docinho que prima?
Aqui fica o desafio
Neste outoninho, já frio.
Considero-vos porreiras
Não escrevam asneiras
Vossa amizade é um brio….

Vamos lá no desafio!...

Beijinhos outonais e refrescantes         

Maria Guida           

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Bailinho sénior



Esta canção é para cantar com o instrumental do bailinho da madeira (Max).

   É esta  a canção que estamos a trabalhar no cavaquinho...madre mia...com tanto baralhanço, deu-me este vaipe...deixar as coibinhas e o mar da Madera, porque eu estou a amanhar-me no Cotenente....hihihihihihihi :)

Nós somos da outra guarda, ai nós somos da outra guarda
Estão os entas a atacar, estão os entas a atacar
Mas fingimos que não vemos, mas fingimos que não vemos
Ao tempo vamos ganhar, ao tempo vamos ganhar

Vamos gozar
Esta vida qué ligeira
Em cada passo avançar
Avistar outra carreira

Não percas a tua esperança, ai não percas a tua esperança
Cada dia é renascer, cada dia é renascer
Cultivemos a bonança, cultivemos a bonança
O Bom é saber viver, o Bom é saber viver!

Vamos gozar
Esta vida qué ligeira
Em cada tropo avançar
Avistar outra carreira


maria guida



sexta-feira, 21 de outubro de 2011

O nosso cavaquinho

É cavaco, é braguinha ou braguinho
Cordofone lindo, nosso cavaquinho!

Nasceu num clima minhoto 
Em Braga, este maroto
Muito popular, de jeito traquino
Harmonioso e pequenino
Arranjam-lhe companhia
Pra espicaçar a alegria,
Carácter lúdico e festivo,
 O mariola…
Atiçam-no, com a amiga viola…J
Preciso, não seria...
Solista, também faz magia!
É burguês, é urbano,
Seu jeito é bacano
Tem pulgas natas
…Nas Estudantinas, …,
... E serenatas…
Patente, em qualquer tuna
No júbilo, faz fortuna…
Está nas rusgas, chulas e malhões
Enamora corações
Harmónico, saltitante, movimentado
Afasta-nos do triste fado
Chamam-lhe de rural, típico e pobre
Mas, se dor, ele encobre, é nobre
                                                                                             
Musicalmente me vai falando…
Vou-me enamorando
Embrenho na melodia
Me encanta a sua harmonia
E o ritmo?
Quanta alegria!
Com a sua sonoridade
Esqueço as dores da idade
Será que vou aprendê-lo?
E vá lá eu,  entendê-lo!

Terei essa capacidade?
A maluqueira terá idade?

Somos três, nesta energia
Brincamos com harmonia
Vale-nos a companhia
Vivas à nossa folia!





Dedico à Isaura e Fatinha, com um beijinho cavaquista.

Ehhhhhhhhhhhhhhhh….vamos nessa!
maria guida

terça-feira, 18 de outubro de 2011

O sabor do silêncio, em cada partir...


Amo o silêncio, a calma, a solidão...
Vivo-os a cada momento, sem dó ou perdão
Salto cada ideia que não traga doçura
Outra era me pôs, nesta doce brandura…

      Quando era gaiata, não pensava na vida
Talvez sem ideias, andasse perdida…
                 Perdida plos tempos que me eram perpétuos
                …Perfumados de aromas e animados reflexos

Ainda sem refletir…
Vi-me partir…
Andar, andar…
Amar e trabalhar.
Caminhei tanto!
No entanto…
Da tristeza eu fugia
Sempre sorria
Se vencer queria…
Dei tudo com amor e dei duro
 Amei a todos e até cada muro!
                          Embrulhada em cada dia, noite e orvalhada
Continuei perdida…
Nos outros, embrenhada…


Depois, no tempo…
O reaver, de outros partir…
Desfolharam…
…E partiram e voaram
          Também noutra embrenharam…
Com ou sem pensar?
…Não confessaram!

Aí parei e refleti:
_Olha o tempo que percorri!
E, bem cá no fundo eu ouvi:
_Sou outra felicidade…
Esta é uma nova verdade
As tuas sementes são caravelas
Ao mundo, abrem as suas velas
E tu não vais…
        Poder ir com elas…
     Despe-te do passado, do tempo, da mocidade
Estás, noutra atmosfera, não ligues à idade
     Recupera, as horas vividas, com menos prazer
...
A vida é cada presente, fá-lo florescer!


Amo o silêncio, a calma, a solidão
Vivo-os a cada momento, sem dó ou perdão
Salto cada ideia que não traga doçura
Outra era me pôs, nesta doce brandura…

Um dia, que quero bem longe…
No alvor de outro partir
Outro belo mundo, eu irei descobrir…

 Maria Guida



quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Porque vamos em balelas...



A vida do corpo é a mente
E a do pensante também
Se a agitação está presente
                                                                                                  ...Sistema não fica bem!
Porque vamos em balelas
Zangam-se todas as células
Lá está o subconsciente
A projetar-se em mazelas
Que querem trazer sequelas…

Se me zango, dói-me o estômago
E o fígado e o coração?!
… Que apertão!...
Decerto zangam-se hormonas
Em cada interconexão.
As dores querem ser donas!
Só nos geram confusão!

Desafia o tufão...grrrrrrrrrrrrrrrr

A cada dia, a cada acordar
Decide o dia, que queres ter
Eleva a tua autoestima
Só tu comandas a sina
Alegra o teu viver

Entulha e semeia apenas, um consciente positivo…
Para que o subconsciente fortaleça o teu abrigo…


Dedico àquela amiga…com um xi coração…


maria guida