Dizem os números que um ano cessou...e outro iniciou...Assim sendo,ou não,no tempo sempiterno,Eu Vou...Um abraço de muita paz e muito amor...a quem comigo, neste barco for...

Quando meu tempo mo permitir, porei neste espaço, o que e o quanto me possa brotar,para convosco desabafar...neste mundo de corridas, neste mundo de porquês...
01/01/2017
margui




segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Amo o meu cavaquinho


Com o instrumental do" malhão, triste malhão", aqui fica a minha letra ;).

Amo o meu cavaquinho
Amo o meu cavaquinho
Vai comigo a qualquer lado
Por causa do cavaquinho
Por causa do cavaquinho
Ficou o caldo entornado

Refrão
Ai eu toco nele, ele me toca a mim
É por causa dele
Que me alegro assim (bis)

Faça chuva, ou faça sol
Faça chuva, ou faça sol
A meu lado a viajar
Faz companhia porreira
Faz companhia porreira
Só lhe falta é falar

Refrão
Ai eu toco nele, ele me toca a mim
É por causa dele
Que me alegro assim.(bis)



Maria Guida Rodrigues

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Tanta chuva, tanto vento!



No leito quentinho, enroupado
Deito meu corpo cansado
Chamo plo pensamento:
_Vem comigo...
Afasta-me este tormento
Tanta chuva, tanto vento!
                 
Me enlevo...
Sacode-me a chuva nas vidraças
Não me concentro caraças ;)
E berram-me as persianas:
_Não te metas com ventos sacanas.

Nesta noite
Não vem nada levemente
Desnorteiam minha mente
Não me deixam estar presente.

Pois olhai:
Não penseis que me aflijais
Meu peito tem ventos mais
Fortes, seguros, regrados
Boa noite ;)
Vou é dormir, cus diabos... J



Maria Guida Rodrigues

terça-feira, 1 de outubro de 2013

no outono seja rochedo


No outono, seja rochedo

Há séculos, agarrado à Terra Mãe, rochedo!
Admiro a tua paciência, o teu “sem medo”
Exposto às tempestades, ao gelo e ao calor extremo
Que vitalidade e confiança de ti absorvo, meu remo...
És resistência, solidez...,nunca te queixas
Quanta estabilidade me deixas!!!

Na tua e nossa natureza, temos criaturas incríveis
Temos elfos, fadas, sereias,...,por nós invisíveis
Estão despertos, desenvolvidos, pois tudo veem
Vamos pedir-lhes que nos aconcheguem!
Vamos apreciá-los no seu trabalho e beleza
Somos egrégora ,temos alma, a maior riqueza

Amemos o bebé outono
...
Há quem o odeie por natureza
Não se debruçam na sua alteza...
Na terra, no ar, nas árvores, debaixo do chão
Tanto ser vivo nos rodeia, quer queiramos, quer não
Exóticos, esquisitos de outonal melancolia?
São chaves de novo cabouco, forças da boa energia.

Demos férias ao Verão, à praia e à mini saia
 Cai chuvinha?!Esteja atento e flexível, saia
Flua através de si e ao seu redor, esteja presente!
Sem medo!
Continua em férias de Vida, esteja contente!
Seja rochedo!



Em, 1 de Outubro de 2013

Maria Guida Rodrigues