Dizem os números que um ano cessou...e outro iniciou...Assim sendo,ou não,no tempo sempiterno,Eu Vou...Um abraço de muita paz e muito amor...a quem comigo, neste barco for...

Quando meu tempo mo permitir, porei neste espaço, o que e o quanto me possa brotar,para convosco desabafar...neste mundo de corridas, neste mundo de porquês...
01/01/2017
margui




sábado, 30 de junho de 2012




Embrenhada nas músicas de Zeca Afonso...instrumental de "Verdes são os campos", atiro ao mundo a seguinte canção:


A vida é só minha

Voei de outra era
Busquei a razão
Deixei a quimera
Do dó e perdão

Na vida por lá
Algo, escureceu
Mas dei-lhe a brancura
Paz, do que sou “eu”

Refrão
A vida é só minha
Não é de ninguém
Sacudo a poeira
Sigo sempre além…

Se gostares amigo
Da minha viagem
Podes vir comigo
Traz tua coragem

Nada desta vida
Vou querer perder
Não me dou vencida
Amo o meu viver

Refrão
A vida é só minha
Não é de ninguém
Sacudo a poeira
Sigo sempre além…


        Maria Guida Rodrigues

terça-feira, 12 de junho de 2012

Agradeço os bons vizinhos


Agradeço os bons vizinhos
Que nos fazem despertar
Nos arvoredos, seus ninhos
Tanta coisa a desvendar




Acordamos com chilreios
Qual encanto e talismã
Que vida nestes guerreiros
Que brindam cada manhã!

Melrinhos atarefados
Fazem o ninho em dois dias
Arquitetos! Mil cuidados!
Sustentos em cantorias

No aflautado e grave gorjeio
Cada dia eu me enleio
Aqui não há tecnologia
Só natural e magia
Há o instrumento do amor
Sem traição
Perdão…clamor
E se há Dor…
É do suor
De tal fulgor...

Não fotografei ovinhos
Com receio de poder ferir
A graça do que é galado
Alicerce do porvir















…Cresceram, já vão adiante...
E …!
No mesmo instante...
Outros iniciam cantante
Igual tarefa brilhante
              
Esta pura perfeição
Acreditem, nunca vi
De quem será este ninho
Que espera passarinho???
Quem me ajuda por aqui?!


Maria Guida Rodrigues

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Sou criança e vou sonhar

Com "Cantigas de Maio" de Zeca Afonso, dada na nossa aulinha de cavaquinho,foi este o vaipe que me deu...agarrei no instrumental e escrevi o que me ía na alma...


Sou criança emancipada
A brincar no meu jardim
Tenho uma vida agitada
Nela assim, gosto de mim


Sou criança e vou sonhar
…Viver outras ilusões
Eu, rio do que chorar
Para quê desilusões...?!

Sou criança, toda a vida
Herdei bem, esta paixão
A vida é pra ser vivida
Lamechices é que não

No meio das minhas flores
No meu enlevo me perco…
Com amores, desamores
Amar a vida, é o mais certo

Um dia noutro viver
Um dia noutro viver
Aí, chorarei a canção da alegria
Aí, chorarei a canção da alegria
Salgarei a minha alma
Salgarei a minha alma
Darei ao mundo a minha magia…
Darei ao mundo a minha magia…
Darei ao mundo a minha magia…

Maria Guida Rodrigues